quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Seleção de publicações que comentei no Facebook





Amigos:

Tenho usado o Facebook regularmente quer produzindo, destacando ou comentando algumas postagens que considero de interesse e condizentes com o que me proponho neste blog, 

Algumas vezes postagens do Facebook me sugerem produzir textos que coloco neste blog. Mas há outras postagens também de importância significativa que acabam juntamente com meus comentários ficando lá mesmo restritas ao âmbito do circulo do meu grupo e mesmo naquelas que são repostadas os comentários que fiz não seguem junto. 

Um outro grande inconveniente é que na medida em que vou empilhando essas postagens na minha linha de tempo e como o acesso é somente linear tenho que ir descendo demoradamente quando desejo rever uma postagem.

Assim sendo passo a copiar essas postagens que considero significativas aqui no blog de modo a que eu tenha acesso fácil ao conjunto, assim como também o tenham os amigos do grupo que dela se interessaram que podem inclusive se desejaram, pelo endereço da postagem no blog, passarem adiante o conjunto. 

Essa postagem vai acumular dinamicamente os novos assuntos que vou destacando no FB.

Vamos então ao primeiro conjunto:





































































segunda-feira, 4 de agosto de 2014

MacedoLândia





Amigos:

Todos que conhecem os principais artigos desse blog sabem que aqui apresento de modo fundamental o gnosticismo cristão para a atualidade e lendo-os podem bem saber que no decorrer desses dois mil anos de cristianismo tanto o romano como o protestante o gnosticismo foi totalmente descartado e mais ainda, na cruzada contra os cátaros, sofreu um verdadeiro massacre por parte da Igreja.

Para nós o deus que cristãos religiosos (os atuais não os de origem) cultuam assim como os judeus e os maometanos é Authades uma força-deus relativa não original, um Demiurgo como lhe chama Platão ou o Príncipe desse Mundo segundo Paulo de Tarso.  

Authades é o deus da mescla e portanto  tanto pode ser terrivelmente violento quanto dissimuladamente “amável”  – O deus da Carnificina e o deus da manipulação enganosa.

Já tratamos disso no meu livro e na respectiva palestra “Atualidade do Cristianismo Gnósticos” além de em outros artigos daqui.

Não temos de modo algum nenhum interesse em tomarmos nenhum partido a favor da doutrina e prática das religiões que cultuam Authades e procuramos ao máximo (mas nem sempre) afastarmo-nos de qualquer polêmica sobre isso.

Mas agora acredito que algo aqui precisa ser dito, talvez para surpresa do leitor, a favor da status filosófico, histórico, teológico e institucional dessas religiões.

 Veja bem, não estou dizendo que concordo com sua teologia, sua história, sua filosofia ou sua estrutura institucional o que vou dizer, no entanto, é que elas tem em profundidade e constância uma construção sólida secular  nesses aspectos o que de direito as fazem se caracterizarem pela história do mundo como uma instituição de proposta legitimamente religiosa (para quem disso necessita).

Se são religiões que realmente RELIGAM ou não é outra história, mas certamente trazem o acúmulo de um grande acervo. 

A reforma protestante de Lutero embora modificasse em muitos aspectos (mais em tese do que na prática) o acervo teológico do catolicismo romano, preservou, nos seus diversos sistemas que hoje podemos chamar de protestantismos tradicionais (hoje já em extinção) a mesma  respeitabilidade histórica, portanto também o direito se constituíram secularmente em legítimas instituições religiosas (mais uma vez, se de fato RELIGAM ou não é outra história).

Portanto todas essas são de direito histórico para todos os efeitos sociais e jurídicos instituições religiosas legítimas.

Acontece que nas últimas décadas, a partir dos Estados Unido, mas vamos nos deter aqui nos “piores” casos no Brasil, picaretas, sugadores, bandidos (*) usando técnicas de lavagem cerebral que sabidamente (isso desde o animismo xamanista) levam a estados alterados de consciência nos quais entidades psíquicas, anímicas ou de onde sejam, tomam a mente dos assistentes em loucas e caóticas manifestações. Essas entidades dependendo das culturas podem ter vários nomes. Mas em essência são a mesma coisa: vampiros de alma. 

(*) nesse caso esses adjetivos fortes não são uma ofensa, são tão somente uma constatação que podem inclusive serem atestada por farto material disponível.

Todo um ramo que passou a ser denominado de “cristianismo pentecostal” as trouxe para invocá-las em seus ritos quer chamando-os de “Espírito Santo” nas possessões boas ou de diabos nas possessões  ruins.

E para uma sociedade laica materialista que não tem elementos para distinguir as gradações do nível de profundidade das religiões verdadeiramente históricas e teologicamente estruturadas, tudo passa a ser tido genericamente como religião (farinha do mesmo saco). 

Basta um bom manipulador comprar uma tenda e ativar determinados procedimentos burocráticos que institui juridicamente, e o que é mais nocivo para os nossos bolsos, oficialmente uma religião. E assim no ritmo de uma retórica hipnótica começa a sua apropriação, crescimento, dominação e roubo.

E aqui vou me deter não no único, mas talvez no mais emblemático deles o “bispo” que agora virou “rabi”: Edir Macedo. 

Quando o império financeiro dessa figura ameaçou outro grande império ultra picareta, só que laico, a Globo  em represália exibiu ao vivo um vídeo, que até hoje é viral, do “rabispo” e seus capangas contando avidamente o montante da “colheita” no maracanã.

Tá bem, é assim e pronto. Isso já nem mais me incomodava.

Mas foi quando surgiu o pastiche que parece ter vindo diretamente dos estúdios da “Cinecittá” numa dessas antigas superproduções de Dino de Laurentis do tipo “Bem Hur”: o “Templo de Salomão”.



Uma verdadeira “MacedoLândia”  com um esquema pago de visitação onde se realiza a performance do ator principal, o próprio Macedo, fantasiado de Nicodemos e de figurantes vestais de branco como num rico e imponente carro alegórico da comissão de frente da Beija Flor. 

Até aí eu ainda achava que a coisa poderia ser mais cômica do que trágica. 


Mas não mais me contive quando na inauguração dessa pantomima compareceram a Presidente do Brasil e o Governador de seu mais rico Estado. (Eu sei, é ano eleitoral e essas coisas, e o "diabo" também vota)

Cabe lembrar que os templos “de gatunagem” desse bando foram fechados por um governo de um país africano (não me ocorre agora o nome) como também tem sofrido processos e restrições em vários outros países.

Temos que urgentemente balizar (historiadores, teólogos, antropólogos podem ser convocados) para determinarmos quais os requisitos que uma instituição tem que atender para receber o atestado de religião e isso porque como tal recebem isenções fiscais às nossas custas e às custas de um multidão de coitados mas nem por isso menos zumbís que caem em seus laços.



Quero deixar claro o seguinte: qualquer um, dois, três ou mil podem se dizer de uma nova religião, salvadores do mundo o o que mais seja. Sem problema!

Agora gozar de isenção fiscal e receber visitas oficiais protocolares de altos dignatários  que nos representam. 

ISSO NÃO!

Paulo Azambuja 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Está Na Hora de Avisar aos Goy








Aos amigos leitores: Em vista da atualidade e dinâmica desse tema, tenho incorporado constantemente novos tópicos a este artigo. Sendo assim, aos que dele se interessarem, sugiro ir voltando a consultá-lo, pelo menos por algum tempo.





LIVRO DE RABINO PERMITINDO A MATANÇA DE CRIANÇAS GOY SE TORNA BEST SELLE


JERUSALÉM - Um rabino judeu lançou um livro dando aos judeus permissão para matar não-judeus, incluindo bebês e crianças, que possam representar uma ameaça real ou potencial para os judeus ou Israel. "É permitido matar os justos entre os não-judeus, mesmo que eles não sejam responsáveis ​​pela situação de risco", o rabino Yitzhak Shapiro, que lidera a Yeshiva Od Yosef Chai no assentamento Yitzhar, na Cisjordânia ocupada, escreveu em seu livro " Torá do Rei ".


Ele argumenta que os goyem (um epíteto depreciativo para os não-judeus) podem ser mortos se eles ameaçarem Israel.

"Se matarmos um gentio que pecou ou violou um dos sete mandamentos - porque nos preocupamos com os mandamentos - não há nada de errado com o assassinato."

Não-humanos

O edital controverso é apoiado por numerosos rabinos afiliadas com o chamado campo nacional-religioso, bem como o seminário talmúdico em Jerusalém Ocidental, conhecido como Merkaz Ha'rav.

Entre os rabinos que apoiaram publicamente o edital estão Yitzhak Ginsburg e Yaakov Yosef.

Ginsburg tinha escrito um folheto glorificando o assassino Goldstein e chamou-o de "figura santa."

Pontos de vista de Shapiro sobre como os palestinos e não-judeus, em geral, devem ser tratados de acordo com a lei religiosa judaica (halachá) são amplamente vistos como representando o mainstream não a exceção em Israel.

Durante a ofensiva israelense contra Gaza no início deste ano, Mordecahi Elyahu, uma das principais figuras rabínicas em Israel, pediu o exército não se abster de matar crianças inimigas, a fim de salvar a vida de soldados israelenses.

Ele até pediu ao governo israelense para levar a cabo uma série de bombardeios aos centros populacionais palestinos em Gaza.

"Se eles não pararem depois de matarmos 100, então temos de matar mil. E se eles não pararem depois que matarmos mil, então devemos matar 10.000. Se eles ainda não pararem, teremos de matar 100.000, até um milhão. O que for preciso para detê-los."

De acordo com Israel Shahak, autor de "História Judaica, Religião Judaica: o peso de três mil anos", o termo "seres humanos" na lei judaica refere-se apenas aos judeus.

Muitos rabinos ortodoxos judeus, especialmente no setor nacional-religioso, visualizam as convenções internacionais incriminatórias à matança deliberada de civis e destruição de casas e bens civis como representando "moral cristã" não vinculada aos judeus.

Em 2006, o Conselho Rabínico de assentamentos judaicos na Cisjordânia pediu ao exército "para ignorar a moral cristã e exterminar o inimigo no norte (Líbano) e no sul (Faixa de Gaza).

Tais decretos manifestadamente racistas e odiosos não levantam muitas sobrancelhas em Israel, nem entre entre os intelectuais, nem na sociedade em geral.

Fonte : Esse artigo está disponível no site israelense Haaretz 




Jovens Israelenses assinam seus nomes "with love" nos foquetes que matarão as crianças de Gaza
https://www.facebook.com/PRESSTV/photos/a.352265081481952.72927.145097112198751/750820811626375/?type=1&theater








Uma das coisas que os assassinos sionistas alegam é que estão apenas respondendo às violências dos terroristas. Mesmo que fosse isso, a desproporção da resposta já atestaria a flagrante imoralidade e vilania de Israel. Mas pior que nem é isso! Esse texto mostra, irrefutavelmente, que muito antes de qualquer eventual ato terrorista o esquema de dominação já estava todo planejado.




Gerald Kaufman um judeu-britânico veterano membro do parlamento, compara a ofensiva israelense em Gaza aos nazistas que forçaram sua família a fugir da Polônia.

Norman Finkelstein, com a autoridade psíquica e moral de um único (e valoroso)  judeu remanescente de uma família que teve todos os seus ascendentes maternos e paternos exterminados no holocausto fala sobre o conflito EUA-Israel versus Palestinos 


 Nurit Peled-Elhanan - Prof. na Univ. Hebraica de Jerusalém Os palestinos nos livros escolares de Israel "Como se faz a desumanização de um povo"

Shlomo Sand - Professor de história na Universidade de Tel Aviv e autor do polêmico livro "A Invenção do Povo Judeu" Amy Goodman - Ex-ministra israelense - O truque é chamar as pessoas de anti-semitas.






JPEG - 26.3 kb
"Até quase ao final do século XIX o sionismo é, pois, apenas um projeto puritano anglo-saxónico, ao qual só uma elite judia adere. Ele é fortemente condenado pelos rabinos, que interpretam a Torá como uma alegoria e não como um plano político." Leia o artigo inteiro em: As origens do sionismo, por Thierry Meyssan

.





,


;

“Para quem quer uma simples,  mas definitiva , PROVA de que a Palestina existia antes de 1948, aqui está uma moeda de 1927 no valor de 10 Mils (hoje, evidentemente,  não mais usada). Observe também que a palavra "Palestina" é escrita em árabe e hebraico que indica não só uma presença judaica, mas um lugar de destaque. Judeus e árabes viviam lado a lado em paz.














 
Leia também (esta em inglês então, se for o caso, use o tradutor automático de seu Browser):  
Exemplos de ódio dos supremacistas judeus  

Paulo Azambuja

terça-feira, 15 de julho de 2014

OS VERDADEIRAMENTE FILHOS DO DEUS VIVO SE MANIFESTAM

Amigos: 



Veja como é interessante. Há sim dois tipos humanos. Mas não como dizem os sionistas: Nós, os Judeus (eleitos de Jehovah) e os outros, os goy, um subproduto da criação a ser dominado. Ou como dizem os muçulmanos: Nós os filhos de Alah e os outros, os infiéis, a serem extintos, ou como dizem os fundamentalistas cristãos: Nós os que aceitaram Jesus, e que por isso nos salvaremos, e os outros, não crentes, ao qual esta reservado o inferno. 
Mas há sim dois tipos Humanos: os que tem Conhecimento isto é os que o espírito já lhes inflama o coração e os cegos de espírito, os seguidores zumbís dos instintos e das manipulações desse mundo e do deus desse mundo. E isso sem qualquer distinção de raça, sexo ou nacionalidade. 
E esses primeiros são os verdadeiros Filhos do Espírito, não porque os outros não Lhe sejam também filhos, mas porque esses já reconhecem essa filiação ao verdadeiro Deus Universal, e isso o fazem porque simplesmente já O ouvem dentro de si. 
E quando isso acontece assim se manifestam correndo muitas vezes grande perigo como o rapaz deste filme.

Complementando essa ideia acrescento que os que já sentem certa autonomia em resposta a esse Conhecimento interno que lhes fustiga, escapando assim do jugo da dominação coletiva, tem  também a obrigação de buscar o Conhecimento externo nas coisas em transformação radical que estão em plena ebulição no mundo.

Parafraseando um dito de Platão: A busca da sabedoria superior que ignora ou despreza a maior parte da realidade que esta em pleno desdobramento no mundo (principalmente na época de transformação radical atual), realidade essa  na que ela se propõe a ultrapassar, é uma impostura.   

Nos meios de divulgação tradicionais só teremos obscurecimento e manipulação visto que estes são propriedade das forças mundiais que estão orquestrando todo esse caos. Resta-nos por enquanto a internet. Mas precisamos saber procurar e escolher . Porque aqui também tem muito joio misturado ao trigo.

Estamos numa época em que, depois de milhares de anos de desenvolvimento do raciocínio humano, a cada um de nós é exigido usá-lo. Como se fosse um vestibular. Quem usar corretamente o que lhe foi demoradamente construído "passa de ano" para uma nova fase, quem não, retorna a uma fase anterior para começar tudo de novo.

Paulo azambuja



Tradução do que o rapaz israelense esta falando ao povo de Gaza


Uma mensagem a Gaza
"14 de julho de 2014

Prezada populaçao de Gaza,

Tudo que eu disser vai soar sem significado frente a tudo que vocês estão vivendo… mas neste momento é tudo que eu tenho: minhas palavras.

Meu nome é Naomi Levari, eu tenho 14 anos e moro em Israel.

Eu estou envergonhado e eu sinto muito. Eu me preocupo com vocês, choro por vocês e eu sinto por suas perdas. Estes são dias escuros, eu sei que isso não consola vcs de maneira alguma, mas nós estamos fazendo o que podemos, o que não é muito, estamos demonstrando nosso pesar em lugares publicos e nas nossas orações que estamos enviando aos céus, espero que isso mude o quanto antes, eu quero que o governo de Israel responsabilize as pessoas, como os líderes que estão fazendo tudo isso, agora. EU CHAMO O POVO DE ISRAEL A LEMBRAR-SE QUE ISSO NÃO É UM VIDEO GAME, NÃO HÁ GANHADORES, PERDEDORES, PONTOS, ALIAS, SOMENTE PERDEDORES.

Pessoas estão sendo mortas, casas demolidas, e sonhos estão sendo barrados, a sociedade de Israel esta perdendo sua tolerância e se tornando uma mafia. Tudo que podemos fazer, novamente é dizer que, SENTIMOS MUITO e usar todas as ferramentas que temos para parar isso. Fiquem em segurança.

Veja o vídeo